top of page
  • pactosantacruzpela

Santa Cruz do Sul lança o Serviço Família Acolhedora



Santa Cruz do Sul avança mais um passo no cuidado com crianças e adolescentes vítimas de violação de direitos. A Prefeitura, por intermédio da Secretaria Municipal de Habitação, Desenvolvimento Social e Esporte (Sehase) lançou na manhã desta segunda-feira, dia 7, no auditório do Memorial da Unisc, o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora, iniciativa que integra as múltiplas ações do Pacto Santa Cruz pela Paz. Participaram da cerimônia autoridades municipais e representantes da rede socioassistencial do município.


O objetivo do serviço é cadastrar e capacitar famílias para receberem, por um período determinado de tempo, crianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social, retirando-as do acolhimento institucional e proporcionando a elas carinho, atenção e afeto, até que possam ser definitivamente adotadas. O serviço já existe em várias cidades do Brasil e em Santa Cruz do Sul foi criado a partir da lei nº 8875 de 15 de março de 2022, sancionada pela prefeita Helena Hermany. Desde então, o município vem trabalhando em sua implementação.


Ao se pronunciar na abertura do evento a prefeita parabenizou todos os envolvidos na execução do programa e disse estar feliz em ver a causa da criança e do adolescente ser tratada como prioridade no município. Ela também aproveitou para conclamar a comunidade a fazer a sua parte, participando ativamente da iniciativa. “Sem o apoio das famílias, de nada adianta lançarmos este programa, precisamos de eco e reciprocidade”, afirmou.


Para a promotora de Justiça Especializada de Santa Cruz do Sul, Danieli de Cássia Coelho, é chegada a oportunidade de fazer a diferença na vida das crianças e adolescentes. “Hoje estamos plantando uma semente, mas temos que saber que o poder público não vai fazer este projeto caminhar sozinho. É necessário engajamento e comprometimento de toda a sociedade”, disse.


Em sua fala, a titular do juizado Regional da Infância e Juventude, Juíza Lisia Dorneles Dal Osto, ressaltou o empenho do vereador Henrique ao trazer à tona para discussão um tema difícil de ser tratado pela sociedade. “É um tema tão doloroso e por isso não é prioritário, não é uma causa simpática e por isso não arrasta multidões. Parabenizo todos os envolvidos, mas especialmente o vereador por ter promovido este debate, hoje Santa Cruz entrou em outro patamar no cuidado com a criança e o adolescente”, destacou.


Defensor da causa e proponente do debate junto ao Legislativo, o vereador Henrique Hermany afirmou que o serviço, que classificou como inovador, passa a ser mais um braço de apoio na estrutura social já existente no município.“O Família Acolhedora tem um caráter social profundo. Estamos trazendo para o cerne da discussão, crianças e adolescentes que se encontram em abrigos e casas de acolhimento e que agora terão a oportunidade de conviver temporariamente com uma família até que sejam adotadas em definitivo”, disse.


Na sequência da cerimônia de lançamento, a plateia formada por técnicos das redes socioassistencial e intersetorial do município sobre o Serviço de Família Acolhedora, acompanhou a capacitação ministrada pela assistente social Neusa Cerutti. Com uma experiência de 17 anos no trabalho com crianças vítimas de violações de direitos, ela é palestrante em eventos nacionais e internacionais sobre o tema, coordenou o acolhimento familiar na cidade de Cascavel/PA por 11 anos e realizou capacitações em mais de 200 municípios brasileiros.


O link para inscrição das famílias interessadas em se habilitar no Família Colhedora já está disponível no site do Município (www.santacruz.rs.gov.br). Para realizar o cadastro é necessário preencher o formulário e aguardar o contato da equipe técnica para informações sobre o processo de capacitação. Também no insta @familiaacolhedora.scs é possível encontrar respostas para diversas dúvidas a respeito do serviço.















29 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page